domingo, 27 de dezembro de 2015

Lutins


Eu estava na minha casa, na sala do computador - é uma sala onde fica o meu PC, por isso, eu a chamo assim-. Estava conversando com os meus parentes: 
—Sério mesmo, Ananda?—Meu primo me perguntou, seu nome é Gabriel.
—Sim. Eu vejo um espírito aqui.—Falei, olhando para o que parecia uma bailarina dançando pela sala(sim, isso é bem doido, mas é um sonho, né?).
—Cara, tu é louca!—Ele me zoou e saiu da sala, junto com meus outros parentes. Foi a última coisa que eu me lembro do diálogo.
Apareceram duas figuras na minha frente, idênticos. Tinham cabelos cacheados. Gêmeos, talvez, pensei.
—Quem são vocês?—Indaguei ainda sentado no sofá. Não se passava pela minha cabeça o porque eles estavam ali, de repente? Ou como entraram na minha casa? Talvez em um sonho tudo seja normal.
—Vamos brincar?—Um deles disse,mudando completamente o assunto.
—Ah, tá bom!—Eu disse sorrindo e me levantando.
Fomos para o quintal e brincamos de muitas coisas - pelo menos, é o que quero acreditar. Eu tenho mania de esquecer meus sonhos -. Até que, eu perguntei, e não sei de onde ela saiu:
—Vocês, são elementais?
—Sim, nós somos!—Eles disseram com um tom divertido.—Somos protetores daqui. Não deixe outros aqui.
Quando disseram daqui, eu entendi como da minha casa. Embora eu não tenha entendido a última frase.
Eu acordei, fiquei pensando em que elementais podiam ser, e me veio na cabeça, do nada, lutins.

Ananda Azevedo

sábado, 26 de dezembro de 2015

Salva por uma fada


        Meu nome é leticya, e eu sou muito grata pela forma que você tem de ajudar as pessoas com duvidas através de seu blog. Eu sempre tive um campo de sonhos muito abrangente e confuso e ele nunca me deu medo mas ultimamente não é isso que esta acontecendo. Faz um tempo que tive esse sonho e depois dele tudo mudou. Era como um dia comum, fui e voltei do colégio. Meus amigos estavam comentando sobre um ritual que eles fizeram na noite passada e muitas coisas aconteceram. Eu estava doida para fazer mais tiver que ir para aula, voltei e tentei fazer . Era só esperar a lua cheia, ir para um lugar aberto e dizer o que o livro dizia, eu fiz e de repente meu quintal mudou, era uma floresta com arvores sem folhas e uma fina névoa cobria tudo. Existia uma mulher, era muito bela, tinha cabelos negros e um vestido branco ela me olhou com um jeito frio. Eu disse à ela:
 - Você é muito bonita.
 - Mas eu também sou muito perigosa. Nesse momento ela lançou muitos galhos de árvores em mim, me machuquei, e corri. Existia um morro pequeno, derrapei e cai perto de um canal estreito de água. Tive as piores visões da minha vida, escutei gritos quase não humanos, levantei a cabeça e vi perto de algumas arvores minhas duas amigas, correndo de dois homens, um deles pegou uma jogou no chão e deu machadadas nela enquanto o outro obrigava minha outra amiga a ver tudo, elas gritavam muito e eu comecei a chorar, meu pé doía muito, mesmo assim levantei e tentei correr foi então que sentir mãos passando pela minha cintura e me levantando do chão com muita brutalidade. Meus gritos pareciam surreais, ele me levou até onde eu estava e me jogou no chão, ele disse:
 - Eu adoro as humanas. - seus olhos transbordavam malícia, só lembrei de uma pessoa essa hora: 
- Fada madrinha, me ajuda! Gritei e ele me encarou .  
- Fadas não são bem-vindas aqui. - Ele terminou a frase.
 Um vento forte soprou quando ele levantou a mão na direção do meu rosto, fechei os olhos e quando abrir eu estava deitada no chão do meu quarto. Existia uma música lá e vinha do meu computador, tentei desligar mas nada aconteceu foi quando uma garotinha de cabelos loiros, aparentava ter uns dez anos e usava um vestido floral saiu correndo debaixo da minha cama, em direção a sala achando graça, eu fui atrás e vi o verdadeiro medo ali. Todas as pessoas que eu conheço que estão mortas estavam lá inclusive minhas duas amigas que morreram na floresta, eu vi o meu melhor amigo que morreu a quase 5 anos. Ele se levantou e veio ao meu encontro. Ele disse:
 - Sinto sua falta. E me abraçou. Suas roupas eram brancas mas seus pulsos eram vermelhos e ainda sujos de sangue: 
- Vem comigo! Eu preciso de você! Não vai doer. Todos sumirão, levantei e tentei correr mas a porta estava trancada, ele me segurou pelo braço e disse:
 - Ora, você não vê? Você não precisa desse mundo, eu posso levar você até o reino das fadas, elas vão te amar. - Ele pegou uma faca - não vai doer nada. Algo brilhou forte, uma mulher linda toda de branco com cabelos prateados e asas grandes e brancas brilhantes apareceu. Ela disse: 
- Você não tem o direito de fazer isso, não a culpe por algo que você fez. Ela tem que viver, e você precisa seguir seu caminho, amigos com almas boas tentam lhe ajudar e você foge, deixe ela aqui e aceite a ajuda que sua alma precisa. Ele caiu no chão chorando e gritou segurando o peito como se sentisse uma dor horrível, ela me abraçou e me cobriu com as asas, o medo acabou sentir paz e lembro a última coisa que ela disse: 
- Eu estou aqui. 
Acordei.

Leticya Cardoso

domingo, 1 de novembro de 2015

"Se não acredita, respeite"!

      O sonho a seguir é de meu irmão Thiago, ele quase nunca se lembra de seus sonhos, mas dessa vez se lembrou e compartilhou esse sonho comigo porque lhe chamou muito a atenção. Também me chamou a atenção e por isso, decidi postá-lo aqui.
       Só para entenderem, faz um tempo que o Thiago decidiu ignorar toda e qualquer crença, bancando o ateu. Claro que isso não combina com ele, ele só tem treze anos e também, sei que, no fundo, ele acredita em muitas coisas, se as nega é por medo ou incompreensão.
        Bem, vamos ao sonho:
Eu estava no jardim, fazendo um feitiço para contatar as fadas quando o Thiago veio e me disse para parar com aquilo porque era besteira e fadas não existiam. Um círculo de luz o cercou, o impedindo de se mover, e uma fada alta, branca, com cabelos negros e asas cinzentas – semelhantes as de uma mariposa – apareceu e o encarou. Eu fiquei fascinada e tudo o que consegui fazer foi apenas observar a fada enquanto ela falava com meu irmão. Ela disse a ele que ele deveria parar de me dizer que fadas não existiam e que deveria me deixar acreditar e continuar tentando contatá-las, caso contrário, ele ia se arrepender por isso. Enquanto ela falava com ele, assumiu um aspecto sombrio e pareceu ameaçadora. Segundo o que meu irmão me contou, ela ainda parou o tempo enquanto falava com ele e o sonho foi muito real para ele. Logo depois que ela falou com ele, o liberou do círculo e ele acordou.

       Não sei se foi um aviso ou só a consciência do meu irmão o alertando a parar de negar aquilo que ele tem certeza de que existe, embora tema, mas acredito que tenha algum significado,  no fim das contas.

sábado, 31 de outubro de 2015

Beleza interior

Oi Daniele! :3 Queria compartilhar com você um sonho meu que eu tive a alguns dias atrás.

Eu estava numa praia a luz da lua, agachada na areia. Pelo balanço das palmeiras, notei que estava ventando, embora eu usasse uma bermuda branca e um blusa amarela.
Então eu me levantei e fui aonde meus pais e meus tios estavam festejando. Era como um bar em frente a praia, eles riam e bebiam.
Sai correndo de lá e parei numa floresta(que eu ainda não sei de onde saiu), fui vagando por lá até que fui transportada para uma festa, lá tinham pessoas de rostos, e tamanhos diferentes, todavia todos usavam roupas de gala.
Me lembro de relance de um sapo pular em meu pé, e eu morrer de medo.
Na festa estava uma mulher sentada, com um semblante sério no rosto; disseram que era a rainha das fadas, seu nome era Mary.
Ela me chamou para me aproximar dela, e depois perguntou:
-Você se acha bonita?
Eu olhei para baixo e respondi:
-Não.
Mary me respondeu:
-Você não deveria se importar tanto com isso, você não sabe o quanto é bonita.
Aí eu acordei.

- Ananda Azevedo

sábado, 24 de outubro de 2015

Mensagens das fadas

16/10/15

       Nesse sonho, eu via minha mãe dormindo e envolta dela tinham muitas fadas – todas eram brancas, com cabelos longos, negros e lisos, presos para trás, elas vestiam túnicas brancas, semelhantes as que os anjos usam, tinham uma pele muito branca e asas transparentes, semelhantes as asas de libélulas; todas eram muito parecidas fisicamente e aparentavam ter doze ou treze anos de idade —, eram tantas que nem consegui contar quantas eram ao todo. Quando as vi, eu disse:
— São muitas, mais do que apareceriam exclusivamente para mim. Por quê? Minha mãe não acredita em fadas!
Todas elas me encararam e uma me respondeu:
— Estamos vindo, especialmente para quem não acredita em nós!
Fiquei muito surpresa com a informação, pois, sempre acreditei que fadas não gostassem de se mostrar a gente descrente de sua existência, é o que vários autores que escrevem sobre esses seres, afirmam.
        Elas se aproximaram de mim e me mostraram um símbolo que eu deveria usar para chamá-las, era um triângulo com um ponto de interrogação invertido (não de ponta de cabeça, só invertido) que estava saindo do triângulo. Fiz um desenho pelo Paint, mas como não sou boa em desenhar pelo computador, logicamente, o símbolo não ficou perfeito. No entanto, dá para se ter uma ideia que como era mais ou menos:

Uma outra fada me disse que tinha um lugar reservado a minha mãe, e entendi o que ela quis dizer e “acordei” (aqui foi um falso despertar, quando você tem um sonho dentro de outro sonho e acorda do primeiro, mas ainda está dormindo porque o seu espírito não retornou ao seu corpo físico, por isso, falso despertar) chorando, muito triste. Minha “mãe” entrou em meu quarto e, ao me ver chorando, perguntou o que eu tinha. Contei a ela, e ela ficou tão espantada que não disse nada.

         Depois, me encontrei novamente com as fadas e uma delas me disse que eu deveria realizar um desafio. Não perguntei qual era o desafio e nem a razão pela qual eu o deveria realizar, apenas aceitei e entrei numa casa branca, grande, com cômodos amplos e vazios.
No primeiro cômodo tinha uma mangueira branca, enorme, semelhante aquelas que tem nas máquinas de lavar, mas bem maior. Simbolicamente, dentro do sonho, eu sabia que a mangueira representava uma cobra e, eu teria de enfrentá-la. Não fiquei com medo, nem mesmo quando a mangueira se agitou. A enfrentei e a parti no meio – era uma mangueira feita de um material bem frágil -.
        Depois, passei por outro cômodo e tive de fazer o mesmo com outra mangueira. Me saí bem novamente.
No terceiro cômodo, eu teria de fazer a mesma coisa, porém, o nível de dificuldade aumentaria. A mangueira se movia de forma mais agitada e falava, tentando, amigavelmente me convencer a poupá-la e até me oferecendo sua amizade, acontece que não sou bobinha como a Eva que ouviu uma serpente, e nem dei bola para ela. Eu ignorei cada palavra, agindo friamente, enquanto tentava matá-la. Porém, ela era mais resistente que as outras, como uma borracha elástica inquebrável. Insisti até conseguir dividi-la ao meio. Ainda assim, para minha surpresa, diferente das outras, ela continuou se movendo. Percebi que não a destruiria assim tão facilmente, então, a peguei e a levei para fora, jogando em uma fogueira que eu mesma fiz. As chamas da fogueira ficaram azuis quando joguei a mangueira/cobra. Recuei e observei por um tempo. Depois, tentei sair dali, de onde estava.
Eu estava num tipo de condomínio fechado, com ruas que davam para becos sem saídas, parecia um labirinto, pelo seu formato. Era noite e como fiquei com medo de me perder, eu voltei. Percebi que a “mangueira”, na verdade, era uma serpente mágica, mas com um formato que realmente lembrava uma mangueira, era bizarro. Ela escapou da fogueira e subiu por uma escada de incêndio que havia em um prédio. Ela deixou um rastro por onde passou, como uma espiral de névoa brilhante, que ao ser tocado, se desvanecia lentamente, transformando-se em brilhantes flocos azuis e brancos de neve. Era muito bonito e encantador! Me senti culpada por quase ter acabado com a vida de um ser de tal magnitude.
         Recuei e chamei pelas fadas. Duas delas apareceram para mim, sorrindo e me chamaram para ir com elas, dizendo que fazia tempo que eu não brincava com elas. Eu disse que iria com elas se elas me levassem para a casa depois, pois, eu tinha assuntos inacabados. Elas me encararam, espantadas – provavelmente, não esperavam que eu dissesse aquilo —, mas não disseram nada.
Despertei.©

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

O Secreto Mundo Dos Elfos

Eu prometi e cumpri! Taí o bendito livro de elfos que eu tanto falei! Quem desenhou e editou a capa foi o desenhista Júnior Menezes. Eu adorei todas as ilustrações dele e decidi que ele é quem deverei ser o capista do meu livro - não só desse, mas de todos os outros que vierem, no futuro - . Você pode encontrar o livro na Amazon, no Agbooks ou na Perse (a versão impressa).
         Neste livro, eu falo sobre os elfos da escuridão e da luz, ensino contatá-los e também falo um "pouquinho" da minha experiência com estas criaturas. Vale ler o livro se você tem alguma curiosidade sobre elfos ou gosta dessas criaturas de orelhinhas pontudas. 
           Os elfos da capa são baseados nos elfos que vejo em meus sonhos, a elfa é a Marina - só que um pouco mais elegante, maquiada e vestida ao estilo Taylor Monsem - .

Sinopse:

Em várias culturas, em diferentes épocas, os elfos têm sido amados e temidos, e graças a Tolkien, eles se tornaram populares, mas será que os elfos sempre foram assim tão bonzinhos e perfeitos? Surpreenda-se com uma faceta sombria desses seres, até então, conhecida por poucos.



Pré venda pela Amazon:
ISBN  978-85-8196-745-5




segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Enigmas


Desde sempre fui muito liga a qualquer coisa a respeito do sobrenatural, do intocável. Sempre me fascinei, mas agora me parece tão real que chega a dar medo.
Há uns nove anos, quando estava no banheiro da casa de minha avó (agora já falecida) vi algo que se assemelhava muito a um anjo. Na forma tradicional que os imaginamos, uma criança de cabelos loiros e enrolados, trajando uma túnica da cor do céu, olhos fechados e mão em posição se súplica.
Assustei-me e saí correndo. Nunca mais o vi.
No ano passado tive alguns problemas com sombras que me perseguiam. O pânico me dominava e tive de ser encaminhada a uma psicóloga que tentou me convencer de que era tudo coisa da minha mente. Ela não conseguiu, mas as sombras pararam de me atormentar.
Porém, no começo deste ano passei a ter sonhos lúcidos, aqueles que sabemos que estamos sonhando e temos total controle sobre tudo o que acontece, podendo acordar quando quisermos e usando sentidos além dos que usamos em sonhos comuns, como o olfato, o tato e o paladar. Em um desses sonhos, eu não conseguia me mover, mas podia ver a mim mesma deitada em minha cama, com uma sombra ao lado.
Perguntei mentalmente o nome dela (ou dele, no caso), pois parecia ser o mais sensato a se fazer. Então uma palavra apareceu escrita no ar. “Malik”. Depois disso eu acordei.
Naquele mesmo dia pesquisei o nome dele na internet, assim como variações, já que não tinha muita certeza, tudo o que encontrei foi um cantor, uma espécie de peixe e uma marca americana de tinta de parede.
Havia desistido do caso, quando, por coincidência comecei a ler a ler a série “Os instrumentos mortais” e comprei o livro bônus, “O código dos caçadores de sombras”.
Acontece que, certo dia após uma prova, estava folheando o livro quando parei em uma página aleatória e a primeira palavra que eu li foi Malik. O nome dele. Estava numa lista cheia de outros nomes, por ordem alfabética. Procurei o subtítulo e ele era “Outros anjos conhecidos dos caçadores de sombras”.
Pelo que achei sobre ele (não me parece ser um anjo muito popular) é que sua função é ser um anjo guardião.
Mas a história ainda não acabou.
Faz pouquíssimo tempo, mas inventei uma brincadeira de “contato com o oculto” (tipo o jogo do copo) quando estava entediada. Sei que pode ser perigoso e vou tentar não fazê-la mais. Consiste em segurar um lápis o mais leve possível sobre uma folha de papel e perguntar algo mentalmente. Sua mão é guiada e algo aprece escrito no papel. Consegui entrar em contato com ele.
No meu quarto há riscos coloridos na metade das paredes para baixo e, no escuro (não completo, pois tenho medo) formam-se imagens que se movem. Faz um tempinho que reparei num rosto que quase nunca se mexe, na parede em que minha cama fica encostada. Seu nome é Ayato, pela resposta de Malik no jogo, é um enviado dele.
Agora sei que estou segura, mas não sei muito sobre Malik.
Saindo um pouco do assunto, acordei certo dia com uma frase na minha cabeça: “Bailavam a doce valsa sob o luar prateado”.
Na mesma hora pensei em um anel de fadas, aqueles formados por cogumelos brilhantes. E, foi pesquisando sobre eles que encontrei seu blog. Acho que foi um sinal, uma pista.
Também houve outra frase que pensei do nada: “A borboleta vive na criança de vermelho”. Não me lembro se o verbo em questão era “vive” ou “nasce”, mas não sei se tem muita influência.

 Luiza Monteiro.

domingo, 9 de agosto de 2015

Me observando...

       Boa noite, eu gostaria de contar uma coisa que aconteceu comigo a algum tempo atrás.
     Meu pais tinham saído e eu e minha irmã ficamos sozinhas em casa de noite, quando fui me deitar senti que tinha alguém me observando e levantei para ver o que era. Quando levantei, vi que tinha uma mulher parada na porta do meu quarto, ela era bem alta, magra, cabelos dourados e estava toda vestida de branco.
  Como só a luz do corredor estava acesa, não consegui ver direito o rosto dela e me virei para acender meu abajur, mas quando me virei ela não estava mais lá, voltei a dormir achando que era só um sonho. No outro dia, senti o colchão da minha cama afundando, como se alguém estivesse sentado nela e quando olhei era aquela mulher de novo me olhando, ela fez um gesto me pedindo para ficar em silêncio, tocou minha testa e eu voltei a dormir.
    Agora sempre que eu entro em algum mato ou floresta, ou no quintal de casa mesmo, ela fica lá parada, me olhando às vezes, porém nunca consigo me lembrar do rosto dela, só dos olhos azuis que sempre me encaram.
  Não sei se é imaginação, alguma coisa que eu tenho ou se é um Elemental, e como leio seu blog e sei que você entende bem do assunto queria que você me tirasse essa dúvida se fosse possível. Obrigada.


Relato enviado por: Julia Tuleski 

(respondido por email).

---------------------------------------------------------------------------------

Envie também seu relato para: adancadasfadas@yahoo.com

Os silfos também se apaixonam?

  Boa noite, fadinhas lindas do meu coração?
Desculpem-me se me ausento às vezes. Mas para compensá-las, hoje vou postar algo sobre silfos, que com certeza, vai despertar uma ponta de curiosidade em vocês. Duvidam?

          

Se você já ouviu falar em silfos antes, deve saber que eles são assexuados e por isso mesmo são diferentes dos elfos, que só pensam em sexo e sexo. Os silfos são os elementais que mais se parecem com os anjos. Tem até gente que acredita que eles são um tipo de anjo ainda em processo de evolução para se tornar um anjo de verdade. Outras pessoas acreditam que os silfos são descendentes dos anjos caídos, que reconhecem o erro de seus ancestrais e numa forma de se redimirem com Deus, a fim de ganharem seu perdão e irem para o céu, eles se sujeitariam a vontade de Deus, acatando sem contestar todas as suas ordens. O silfo passaria por diversas provas complexas e se no final, completasse todas essas provas, seria perdoado por Deus e se tornaria um anjo do Senhor. Gosto mais dessa segunda versão porque depois de todo o estrago e toda a vergonha que os Watchers e os Nefilins causaram, Deus se dispôs a perdoar os seus descendentes, os Elementais. Assim como se dispôs a perdoar toda a humanidade pela vergonha, ganância e desobediência de Adão e Eva.

Agora, voltando aos silfos. Eles agem como nossos anjos guardiões por algum tempo. Isso pode parecer confuso à primeira vista, afinal de contas, por que precisamos de um silfo guardião quando supostamente, todos nós temos um anjo da guarda? Onde está o nosso anjo da guarda, de férias no Havaí? Hum, quem sabe. O que acontece é que os anjos são criaturas supersensíveis e imagino que depois do que houve com os Watchers, Deus tenha ficado mais vigilante do que nunca em relação aos seus anjos. Muitos humanos ainda não estão preparados para ter um anjo da guarda. Ainda mais agora com essa onda de Fallen, as garotas loucas para se atirarem nos braços do primeiro anjo que aparecer (vergonha minha)! Os anjos, ao contrário do que muitos pensam, não ficam apenas estirados sobre nuvens de algodão, sem nada para fazer. Eles trabalham e muito! Eles estão sempre trabalhando para evoluírem cada vez mais e mais, até chegarem ao nível dos arcanjos Miguel, Rafael, Uriel e Gabriel.

Os anjos da guarda aprendem com Rafael (o chefe deles) como proceder com seus protegidos em diferentes situações e sempre que uma nova dúvida surge, é ao arcanjo Rafael a quem eles recorrem. Pense nos anjos, como professores, médicos, alunos e estagiários. Assim fica mais fácil!



Enquanto os anjos estão em treinamento, os silfos entram em ação como nossos anjos da guarda substitutos. E eles são perfeitos e confiáveis para o cargo porque não sentem desejo algum. Sendo assim, não correm risco algum de caírem em tentação!

Mas só porque os silfos são desprovidos de prazer sexual, não significa, entretanto que eles são desprovidos de sentimentos. Silfos podem se apaixonar quer seja por uma fada, uma ninfa ou uma mortal. Mas poucas dariam valor ao seu amor puro e casto. Para reproduzir-se, o silfo se submeteria a ter relações com uma mulher (em geral, com uma sílfide, o gênero feminino de sua espécie). Mas seria apenas por uma questão de manter sua espécie, já que ele é impotente. Um silfo poderia se sacrificar por uma mulher a qual se apaixonasse e satisfazê-la em seus desejos sexuais. Mas isso seria algo raro, pois as pessoas que ficam muito próximas a um silfo por muito tempo (me refiro a um contato mais direto) podem se tornar como ele e simplesmente não sentirem mais desejo sexual. Um silfo na verdade, é como a maioria de nós imagina que um anjo seja; belo, bondoso, sábio e desprovido de desejos sexuais.

Fisicamente, eles são muito parecidos com os anjos. Igualmente belos, atraentes e com asas. Seria quase impossível para um humano comum saber a diferença entre um e outro. Entretanto, os silfos têm asas negras, o que logo os diferencia dos anjos. Algumas vezes, suas asas podem ser semelhantes a asas de morcegos (e só isso já basta para as comparações com o diabo surgirem), seus olhos podem ser vermelhos e eles podem ser diáfanos (transparentes, translúcidos) da cintura para baixo. Representando assim, sua impossibilidade de sentirem qualquer desejo sexual.



Amar um silfo, sem dúvida, seria a forma mais pura, mais bela, nobre e elevada de amar porque esse amor iria além de uma simples e irracional paixão, não dando margem ao ciúme e a possessividade. Seria mais ou menos como amar a Deus, com exceção de que você pode beijar o silfo e a Deus não. Você se contentaria apenas com um beijo e ficar abraçada ao um silfo, sentindo a energia elevada e positiva de sua aura seria a melhor coisa do mundo. Como estar no paraíso. Você finalmente encontraria paz e veria a vida de uma forma como nunca antes viu. E após a sua morte, o silfo a levaria para o seu Reino entre as nuvens para voarem juntos além do infinito. Esse sim seria o verdadeiro amor. E essa sim seria a forma correta de se amar um anjo e não como Fallen, em que sempre se precisa pagar um alto preço. Os silfos sabem que o verdadeiro amor não é pecaminoso e por isso, seu amor não é condenável por Deus. Porque seu amor é inocente, puro e incondicional. Um silfo se importa com a gente mesmo quando não nos importamos mais com ele e para nos proteger, eles são capazes de qualquer coisa.

Claro que também existem silfos malvados que usam seus poderes para destruir tudo o que encontram em seu caminho. Mas os silfos bons trazem sempre ventos favoráveis e moldam nuvens de amor e esperança.

sexta-feira, 17 de julho de 2015

Um sonho estranho


       Quando eu tinha 5 anos eu encontrei uma menina perto da minha casa, como eu era novinha eu não me importava quem ela era. Ela parecia triste então eu fui perguntar se ela queria brincar, ela disse que sim. Nós brincamos o dia inteiro, mas quando chegou a noite, ela disse que tinha que ir e talvez não voltasse. Quando ela se foi eu acordei.
     Eu nunca esqueci dela, daquela voz suave, cabelos castanhos e a pele macia e mais branca que se pode imaginar.
Às vezes, eu penso o que ela estaria fazendo agora e também imagino quando ela voltará. Quando eu vou dormir, eu lembro dela e quando eu acordo, também. Eu espero que um dia ela volte e me diga quem ela era.

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Relato enviado por: anaxhe fonseca.
Envie também seu relato para: adancadasfadas@yahoo.com
*Não esqueça de colocar seu nome no começo ou no final do relato. Não publico relatos de anônimos!
*O relato pode aparecer em outros blogs meus, como o Gnomos Levados ou o Deleite Das Ninfas. Ok?

quarta-feira, 20 de maio de 2015

Uma aventura perigosa


Eu tinha aproximadamente seis anos, estava em um lugar, e nesse lugar tinha um castelo lindo e envolta dele várias arvores, flores, plantas de todos os tipos.
     Eu conheci o que pareciam três fadinhas e a gente acabou virando amigas.
    Toda noite eu sonhava com o mesmo lugar, nós quatro (eu e as três fadinhas) sempre brincávamos, até que uma noite quando eu voltei lá elas disseram-me que tinha uma fada do sexo masculino querendo me matar, pois achava minha ida para aquele reino muito perigosa, então elas criaram um portal e eu entrei nele, assim que entrei eu acordei e nunca mais sonhei com aquele lugar.


terça-feira, 28 de abril de 2015

O Sacrifício Das Fadas


    Do nada me vejo como uma fada de pele bem branca cabelos bem brancos até os joelhos vestindo uma túnica também branca, e comecei a enxergar com "outros olhos" e vi que algumas pessoas eram como eu, e notei que outras pessoas "normais" não notavam minha aparência. Nisso estava passando em frente a uma igreja (cá entre nós não gosto muito de igrejas) e uma mulher aparece do nada e pergunta se eu quero entrar, comecei a ter pressentimentos que algo estava errado e ela começou a me puxar pela escada para que eu entrasse, ela sorria muito, e no meio da escada vi um pedaço de papel que uma garota com a mesma aparência que eu havia jogado com os olhos suplicando socorro, eu sou míope mas me concentrei e meio que deu um zoo nesse papel e lá estava escrito:
     "Fadas como nós seremos sacrificadas, não entre."
      Puxei meu braço e aquela mulher não queria me largar. Menti dizendo que já já iria voltar, ela me fez prometer e me soltou, peguei o pedaço de papel e saí correndo, e encontrei a mesma garota que havia jogado o papel e varias fadas presas e soltei elas, elas me agradeceram e disseram "corra pra bem longe", quando corri eu acordei.


Enviado por: Nila Chagas

______________________________________________


Envie também seu relato para: adancadasfadas@yahoo.com
Não esqueça de colocar seu nome ou apelido.

quinta-feira, 26 de março de 2015

Perseguida por fadas

     Eram férias de verão e eu estava na minha casa. As visitas haviam acabado de ir embora a uma ou mais semanas e eu estava brincando no quintal. Nessa época, eu tinha 7/9 anos. Subi em uma mureta e queria andar em cima dela, quando cai e raspei meu joelho. Doeu muito! Acho que por curiosidade de fadas e ninfas cheguei perto de uma arvore e disse: "queria ser uma fada."
      Então, vi um movimento entre as folhas das árvores e vi algo que parecia ser uma pequena fada , mais ou menos como tinkerbell. Ela voo em cima da minha cabeça e, eu corri assustada. Então, até as férias acabarem, eu estava tendo sonhos com fadas e elementais e via uma sombra perto de mim e olhava para cima e havia sumido '0' então fui pesquisar sobre fadas e achei seu blog; lembrei que quando eu era pequena havia um circulo de cogumelos do lado de fora da minha casa e a noite eu ouvia um suave canto de mulher (acho que foi ai que surgiu meu gosto por música).
    Bem é isso!
Relato enviado por: Maria Eduarda
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Envie também seu relato para :
adancadasfadas@yahoo.com

Não esqueça de colocar seu nome abaixo ou acima do relato.
Se quiser, pode deixar o link do seu blog. XD

quarta-feira, 18 de março de 2015

A Sombria Dança Dos Elfos



     Oi, Nielee? :'D Acho que esse foi um dos primeiros sonhos que eu tive com elementais, no caso, elfos. Espero que goste! XD


         Eu estava Na minha Antiga Escola, em Goiânia (eu Moro em Brasília),mas estava em Goiânia.
A escola estava diferente. Eu estava com a Rute (Amiga de Brasilia) e com a Ketheleen (Amiga de Goiânia), e Outras Meninas. Eu Apresentei a Rute e a Ketheleen uma a Outra. Não me lembro o que aconteceu depois, mas de repente eu "Desapareci". Era como se ninguém pudesse me ver, mas de alguma forma eu sentia que elas poderiam me ver, mas fingiam que Não.
     A Ketheleen e a Rute foram até a cantina e compraram um sorvete (eu acho). Novamente não me lembro o que aconteceu, mas de repente todas as meninas estavam dançando, como ninfas. Não me lembro exatamente a roupa de cada uma, mas a Ketheleen estava com um vestido branco,cabelo preso e uma tiara de flores em volta da Cabeça.
      A Ketheleen estendeu a mão,me chamando para dançar.
   As outras meninas continuavam fingindo não me ver.
  Era quase que uma tentação aceitar o Convite da Ketheleen, mas eu percebi que ela estava me atraindo para uma armadilha. Olhei tudo ao meu redor. Tudo parecia apenas um cenário, por isso, estava tudo tão diferente e estranho. Aquelas meninas não eram minhas amigas. Muito menos Ninfas. A moça que Estava Na cantina Era sombria, ela parecia estar gostando e Controlando Tudo ao meu Redor.
Depois disso, eu Acordei.
Enviado por: Ana P. Souza

terça-feira, 17 de março de 2015

Garotinha ruiva

Desde pequena, eu sempre acreditei em que existem mais coisas do que o Céu e a Terra. Quando eu tinha mais ou menos 8/9 anos eu tive um sonho estranho.
Eu estava numa casa branca. Mas não estou brincando não! Ela era definitivamente totalmente branca. A casa tinha apenas dois móveis: um sofá e uma televisão(também brancos) e as únicas pessoas que haviam ali era eu, e uma garotinha.
A garotinha aparentava ter a minha idade naquela época(Mas tinha como espírito de uma criança bem mais nova por assim dizer). Tinha cabelos ruivos e olhos profundos e castanhos. Eu estava meio que distante dela. Sentada no chão fazendo algo que eu não lembro.
De repente eu encarei a menina. Ela estava chorando. Me aproximei dela e perguntei ajoelhada do seu lado:

"Por que está chorando?"

A menina apenas olhou para seu joelho que estava sagrando e sussurrou:

"Alguém fez isso comigo. Eu não sou desse mundo."

Tratei o machucado dela (não lembro como) e ela agradeceu dizendo que tinha que ir, perguntei se podia ir junto ela falou que sim. De repente abriu-se um portal de baixo da escada, ela entrou, e quando eu fui entrar acordei.


 Relato enviado por Renata B.

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Pequenas fadinhas brilhantes



Oi! Bom,eu tenho um relato para contar e é sobre fadas!
É o seguinte:

     Um dia eu estava lendo um blog que falava sobre fadas (é claro) e  vi um post sobre   maneiras de ver as fadas.
Fui tentar fazer uma delas,era mais ou menos assim:

''Este é um exercício um pouco cansativo, pelo menos para mim, e tem como objetivo abrir a nossa visão para o Mundo das Fadas.
Primeiro encontre um lugar relaxado em que não possa ser interrompida, como o seu quarto.
Deite-se ou sente-se na sua cama e comece a dizer as seguintes palavras  NYAM, YO HO, RENGE, KO
Continue dizendo tais palavras por 30 minutos até as palavras se irem desvanecendo...Aí feiche os olhos e deixe que as imagens invadam sua consciência. Poderá pensar que só vê escuridão mas , porém , se aceitar essa escuridão começará a ver imagens mais detalhadas. Aí abra os olhos e começará a ver coisas aparecendo rapidamente em relâmpagos.Essa é normalmente a 1ª aparição de um fada. Depois siga sua vida normal porque quando as fadas tiverem por perto conseguirá vê-las sem problemas.''


    Fiz o ritual,ou feitiço,sei lá e depois de terminar eu fiquei meio tonta (bem pouco) e vi uns mini pontinhos brilhantes (bem pequenos mesmo) voando pela casa.Eles eram poucos e pareciam vaga-lumes.Quando eu via algum eles desapareciam bem rápido.
Eu pensei que estava vendo fadas,e perguntei (mentalmente, mas não sei se sou boa nisso) qual era o nome da fada.Veio um nome na minha cabeça,mas eu não sei se aquilo era o nome da fada ou era só minha imaginação mesmo,já que eu nunca fiz aquilo na minha vida.Não sei se existe fada com esse nome,Luiza,mas eu pensei esse nome na minha cabeça.

     Um dia eu estava sentada na varanda da casa da minha vó.Olhei para o céu,tinha poucas estrelas,e me surpreendi quando eu vi uma coisa brilhante, dessa vez maior do que o que eu relatei anteriormente. A cor era laranja ou vermelho, não era tão grande,mas também não era tão pequena.Eu fiquei olhando para aquilo  e resolvi olhar para baixo e olhar para cima novamente,mas continuava lá.Aí eu fiz a mesma coisa de novo e desapareceu.Depois eu olhei para frente,onde ficava a casa do vizinho. Lá tinha dois coqueiros atrás da casa.Vi essa mesma luzinha brilhante,dessa vez eram duas e eram brancas.Olhei para baixo e olhei novamente para elas,e desapareceram. Não sei o que era aquilo realmente eram fadas,se era minha imaginação ou outra coisa,vai saber...


Relato enviado por: Nathalia Schmitt Miguel

------------------------------------------------------------------------------

Envie também seu relato para:adancadasfadas@yahoo.com

Elemental ou fantasma?

 Esse relato ocorreu em 2012.
Por mais que tente, não consigo esquecer. Bem, vamos lá...

   Era tarde da noite, eu havia acabado de chegar em casa. Então, após um longo banho me deitei ainda sem sono, mas como teria aula no dia seguinte, resolvi apagar as luzes.
   Como meu quarto tem a janela que dava na rua, não ficou completamente escuro. Me deitei e encarei o nada, assim permaneci por praticamente três horas.
   Quando estava perdendo as esperanças e quase acendendo a luz, um arrepio tomou conta de mim, senti que estava sendo observada. Então me levantei, e fechei a fresta da janela, deixando o quarto no total escuro. Achava que assim poderia dormir em paz, levantei meu travesseiro e fiquei encostada na cama.
   Depois de muito tempo de espera, eu felizmente já estava quase dormindo. Mas uma luz chamou minha atenção, o que fez eu abrir os olhos bruscamente, assustada. Quando abri, vi uma sombra humana, iluminada nos pés de minha cama.
   Aquela sombra era feminina, reconheci pelos cabelos, um longo vestido amarelo-ouro e dourado e uma linda coroa. Aquela imagem tinha no máximo a altura de uma criança de onze/doze anos.
Eu, estava imóvel. Tudo o que fiz foi tentar gritar, mas minha voz não saia. O desespero tomou conta, com isso a imagem começou a ficar borrada. Não conseguia mais definir a face daquela "coisa". Tentei gritar novamente, mas nada.
  Aquilo estava se aproximando cada vez mas, então deslizei as costas do encosto da cama e cobri a cabeça. Fiquei com medo e não me mexi, agora tinha certeza,  não conseguiria mas pegar no sono.
Depois de muito, muito, muito tempo, peguei novamente no sono e acordei com meu irmão me chamando. Eu estava pálida e fria, então contei a minha mãe o que aconteceu, na época tinha no máximo onze anos.


Relato enviado por: Vitória Fernandes.

-------------------------------------------------------

Envie também seu relato para: adancadasfadas@yahoo.com

sábado, 7 de fevereiro de 2015

Um estranho passageiro

https://encrypted-tbn1.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcTxh0twZg89v1wnpy3f-F9V-n8gvHSF5S-iAxS6o0PxfLjhkJtR
     Oie Daniele tudo bom? eu estou aqui pra te relatar uma experiência que minha mãe teve há mais ou menos 20 anos, foi assim: ela tava saindo do curso e foi pegar ônibus ela ia pegar o ônibus da frente mais decidiu pegar o de trás, que era tarifa e chegava mais rápido (era tarde da noite já) quando ela entrou no ônibus um rapaz loiro, alto com olhos bem claros, cheinho (nem gordo nem magro) bonito, chamou a atenção dela porque ele estava com o pé apoiado perto da porta e usava uma corrente bem grossa de ouro que se parecia com a estrela de Davi (ela não tem certeza), como não tinha outro lugar ela sentou ali mesmo, não demorou muito ele falou pra ela:
- Eu estava te esperando.
    Ela achou aquilo estranho porque ela nunca tinha visto ele antes, ela disse que ele devia ter se confundido e tudo mais, vou resumir essa história se não vai ficar muito grande.
     Ele falou o passado, presente e futuro dela, falou que lá teria 3 filhas (eu, e minhas duas irmãs) que se casaria com meu pai e outras coisas. Ele falou pra ela não ter medo porque ele não faria mal há ela porque se quisesse já tinha feito.
     Ela perguntou quem era ele, ele disse que um dia ela iria descobrir e disse que muita gente sonha em ter esse contato que ela teve, que só um em um milhão consegue, que ele vive no fórum porque quem for protegido dele sai de lá pela porta da frente, e falou que está com ela desde que ela nasceu (como ela fazia curso e trabalhava ela chegava em casa muito tarde e sempre que ela passava por caminhos muito desertos e escuros ela sempre escutava quatro passos o dela e de mais alguém mais nunca tinha ninguém na rua) ele disse que era ele protegendo ela. (eu acredito que ele também protege a mim e há as minhas irmãs, porque sempre que estamos andando sozinha na rua, sentimos que tem alguém atrás de nós e nunca tem ninguém).
      Minha mãe já teve várias experiências do tipo desde pequena e ela também é muito ligada há água (não sei se porque ela é do signo de peixes) toda a casa que agente vai nunca é totalmente normal sempre tem algo sobrenatural, a gente já é até acostumado rsrs. Mais continuando... Como ela ainda tava meia cabreira, ele pediu pra ela olhar nos olhos dele e quando ela olhou, os olhos dele ficaram vermelhos como fogo e parecia que não tinha fim como um redemoinho, como ela ficou muito assustada ele voltou com seus lindos olhos verde água.
       Ele disse que eles ainda vão se encontrar de novo mais que ele já não terá aquela aparência, ele disse também que pode se transformar em Homem, Mulher, Criança, velho, toco, animal em tudo o que ele quiser, e no final deixou uma mensagem no caderno dela em inglês (ele escrevia de trás pra frente com a mão esquerda) "Eu sou um pedacinho de você, assim como você é um pedacinho de mim".   

       Quando ela saiu do ônibus tinha um gato preto que foi junto com ela até m casa (ele disse que alguém iria acompanhá-la até em casa). Ela conhecia o motorista do ônibus e geralmente ela pegava esse mesmo ônibus e sempre vinha conversando com o motorista, neste dia ele não falou com ela. No dia seguinte ela perguntou a ele porque ele não puxou assunto, o motorista disse que ela estava dormindo, ela estranhou e disse que não e perguntou quem tinha sentado do lado dela ele disse que tava vago, como ela trabalhava na mesma empresa ela pegou a folha com os passageiros, a poltrona 1 tava ocupada (a que ela estava) e a poltrona dois tinha um tracinho, como se não tivesse ninguém. 

 OBS.: ele disse que iria pra ponta negra, porque tinha uma pessoa que precisava dele, (ele tem poderes curativos), disse também que fala todas as línguas e roda o mundo todo, e uma coisa que eu achei curiosa, ele disse que adora festa.     

      Eu tenho certeza que ele é um elemental, mais minha dúvida é qual elemental? se você puder me informar eu vou agradecer muuito.





Relato enviado por Larissa A.

--------------------------------------------

  * Respondido por email.

---------------------------------------------

  Envie também seu email para: minhafadaniele@gmail.com
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...